Desenvolvido motor movido a etanol com eficiência igual a do diesel

0

Após 14 anos de estudo, pesquisadores da UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais – conseguiram acabar com o conceito que o etanol consome 30% a mais em relação à gasolina graças às modificações no sistema de combustão do motor. A nova tecnologia será apresentada no “IV Seminário Sobre Etanol Eficiente” realizado pelo Instituto Nacional de Eficiência Energética no próximo dia 25 de outubro, em Jundiaí

O motor movido a etanol com eficiência igual a do diesel e consumo de combustível inferior ao da gasolina acaba de ser desenvolvido por pesquisadores da UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais. O estudo acaba de ser concluído e prova que esta tecnologia pode facilmente ser adaptada em automóveis de pequeno e grande portes no país desde que haja interesse dos órgãos públicos e privados.

A viabilidade do motor movido a etanol será apresentada durante o “IV Seminário Sobre Etanol Eficiente”, organizado pelo INEE – Instituto Nacional de Eficiência Energética -, que será realizado no dia 25 de outubro, no Tech Center Mahle (Rodovia Anhanguera, sentido interior-capital, Km 49,7), das 8h30 às 17h, em Jundiaí (SP). O programa completo do evento e as inscrições estão disponíveis no site www.inee.org.br.

A pesquisa em laboratório, desenvolvida sob a coordenação do professor e engenheiro mecânico José Guilherme Coelho Baêta, do Centro de Tecnologia da Mobilidade da UFMG e palestrante no Seminário, resultou na criação de um motor 1.0, de 185 cavalos de potência e movido a etanol com eficiência superior aos movidos a gasolina e equivalente, em eficiência, aos que utilizam diesel. O estudo acaba com o conceito de que o etanol consome 30% a mais se comprado a gasolina. “O etanol sempre superou a gasolina em termos de eficiência energética. A novidade aqui é a paridade de consumo de combustível”, explica o professor.

Depois de 14 anos de estudos em busca de tornar o uso do etanol mais viável, pela primeira vez os pesquisadores conseguiram atingir o máximo de sua eficiência, inclusive superando os demais combustíveis. Os pesquisadores modificaram todo o sistema de combustão do motor e reduziram o tamanho da câmara de combustível para facilitar a queima do etanol com cargas elevadas.

O professor Baêta explica que o combustível fóssil tem uma vida útil pequena, de 40 anos, aproximadamente, e que no futuro não será possível depender só de sistemas elétricos. Por isso, é preciso desenvolver tecnologia a partir do uso de matrizes energéticas renováveis. “Cerca de 45% da matriz energética de combustível no Brasil vem de fontes renováveis, enquanto que em outros lugares do mundo este índice gira entorno de 11%. Isso significa que temos condições de sermos autossuficientes, adaptados à realidade do clima tropical”, compara.

Falta de incentivo
Desde o Proálcool – Programa Nacional do Álcool -, financiado pelo Governo Federal entre as décadas de 1970 e 1990 para substituir o petróleo por álcool combustível (termo usado para o etanol na época), não se investiu mais em larga escala em estudos e no desenvolvimento de tecnologias em projetos envolvendo o motor a etanol. O desinteresse das indústrias e universidades contribuíram para que o setor automobilístico brasileiro não se modernizasse de acordo com o potencial energético, tornando-se cada vez mais dependente da tecnologia estrangeira.

Como cada região do planeta dispõe de matrizes energéticas diferentes, as tecnologias desenvolvidas também são diferentes para adaptá-las. Segundo o professor Baêta, as montadoras da frota brasileira são multinacionais e as tecnologias dos veículos são trazidas de fora, desenvolvidas de acordo com os recursos energéticos estrangeiros e não com os renováveis que o Brasil dispõe.

“Ficamos atrasados no desenvolvimento de tecnologias nacionais e isso é uma ignorância do mercado, que não valoriza o que é daqui. Precisamos quebrar paradigmas e deixar de exportar nossas riquezas como matéria prima e, sim, exportar produtos já transformados aqui”, conclui o professor.

Seminário
O seminário discute ainda a utilização do etanol na frota da agroindústria brasileira, visando a redução de custos e de impactos ambientais, a utilização de tecnologias variadas e os desafios e perspectivas de uso do Certificado de Redução de Emissões (CRE) que será criado pelo programa RenovaBio.

Fonte: UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais

Compartilhe.

Escreva um comentário