Rumo bate recorde no transporte de combustíveis na Malha Norte

0

Companhia transportou 251 milhões de TKUs (Toneladas por Quilômetro Útil) pelos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul no mês passado.

A Rumo aumentou em 17% em junho o volume transportado de combustíveis (diesel, gasolina e etanol) na Malha Norte, trecho ferroviário que passa pelos Estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. A comparação é com o mesmo mês do ano passado, quando a Companhia levou 214 milhões de TKUs (Toneladas por Quilômetro Útil). Em junho deste ano, a Rumo chegou à marca de 251 milhões de TKUs transportados.

O recorde foi fruto dos investimentos da Rumo em sua eficiência operacional aliado às condições de mercado registradas em maio, quando ocorreu a greve dos transportadores rodoviários. Os trabalhos das áreas comerciais e operacionais da Rumo também foram fundamentais, pois a captação do frete de retorno para o Estado do Mato Grosso chegou a 75% do volume total transportado de combustíveis em junho.

Entre os melhores desempenhos da Malha Norte, está o Terminal de Chapadão do Sul (MS), por onde passou o maior volume carregado de combustíveis: 71,5 quilômetros cúbicos. O maior volume de retorno ocorreu no trecho Chapadão/Taquari/Rondonópolis, com 108 quilômetros cúbicos transportados.

Aumento de produtividade no Estado de São Paulo

Na Replan (Refinaria de Paulínia, em São Paulo), a Rumo obteve uma excelente produtividade no carregamento, principalmente por conta do uso do Car Puller (equipamento utilizado no carregamento dos produtos), o que garantiu à Companhia a liberação de composições com até 100 vagões no último mês.

Sobre a Rumo

A Rumo é a maior operadora logística com base ferroviária independente do Brasil e América Latina. A Companhia tem mais de 12 mil quilômetros de trilhos formados por quatro concessões em seis estados: São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Com mil locomotivas e 25 mil vagões, a empresa oferece uma gama completa de serviços interligando centros de produção, polos consumidores e portos marítimos.

Fonte: Rumo

Compartilhe.

Escreva um comentário